Estabelecimentos voltarão a fechar às 22 horas em Goiás, é nova "lei seca" de Caiado

A proposta do Estado é de que se inicie a proibição de venda e consumo de bebidas alcoólicas a partir de 22 horas


Em conferência na tarde desta segunda-feira (25), o governador Ronaldo Caiado reuniu prefeitos, parlamentares, representantes do setor produtivo, poder Judiciário e sociedade civil para abordar o avanço da pandemia do novo coronavírus em Goiás. Atualmente, a média de ocupação de leitos no estado é de 75%, no entanto, algumas instituições já enfrentam lotação.

Entre as medidas propostas para controlar o crescimento progressivo está a implementação de uma Lei Seca em todos os municípios, com a proibição de venda e consumo de bebidas alcóolicas a partir das 22 horas. Além disso, o projeto inclui um reforço na fiscalização quanto à realização de eventos ilegais durante o período de isolamento social.


Reunião com os representantes


O evento, que aconteceu de forma online pelas redes sociais do governador, ouviu os prefeitos de cidades que têm leitos de UTIs públicas para apresentar propostas e avaliar a possibilidade de transferência de pacientes graves entre os municípios. Para que a ação seja implementada, é necessário que os prefeitos respondam a uma enquete indicando se estão favoráveis ou não à nova medida.

Até as 15h50 desta segunda-feira, o governador Ronaldo Caiado informou que 50 prefeitos já votaram e 97% são favoráveis à medida.


Medida Preventiva


Sobre essa medida, o secretário da Saúde, Ismael Alexandrino, garantiu que não há discussão sobre lockdown, mas que as ações restritivas são urgentes e surgem com a intenção de evitar surpresas. “Temos afeição ao diálogo e ouvimos o comércio”, afirmou o secretário quando questionado sobre a implementação das ações de segurança.

O presidente da Federação de Comércio de Goiás (Fecomércio), Marcelo Baiocchi, se mostrou favorável à proposta do governo sobre a restrição de horário nos bares, no entanto, ele sugeriu que haja revisão das medidas à medida que a contaminação seja controlada nas cidades.


0 comentário